segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

E então, o fim [ou o recomeço]...

Muitas noitadas e mensagens depois conseguimos terminar...
O sentimento de "dever" cumprido e de missão finda é inexplicável... 

Mesmo a muitos quilómetros de distância fomos capazes de nos ajudar e de nos apoiar... É, sem dúvida, o que me deixa mais feliz! Houve alturas que, no meio dos papéis, dos livros e dos programas estatísticos, pensei que desistiríamos...

Continuamos e concluimos... Com distinção! Não era primordial, mas foi muito bom de ouvir! 

No final, o brinde merecido e o abraço esperado! 
Há abraços que valem etapas e o nosso foi assim... 

Agora, recomeçamos...
Afinal, assim é a vida... 

Ano novo, projetos novos!


segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O natal que há em mim...

O natal que há em mim...

O natal que há em mim traz-me o cheiro dos doces acabadinhos de fazer, da pinha que o meu pai queimava à porta de casa, o aconchego da manta, do sofá e do abraço de quem me faz falta, a chegada galopante da meia noite e o medo, saudável, que eu sentia a partir de uma certa hora, quando me deslocava pela casa, porque o menino Jesus deixava os presentes no fogão da cozinha...
O natal que há em mim tem “Música no coração”...
O natal que há em mim relembra-me a infância extraordinariamente feliz que tive...
O natal que há em mim acompanha-me todos os dias...
O natal que há em mim é colorido, mas nem sempre é feliz... Porque, na verdade, tenho, durante todo o ano, alguns momentos menos bons e menos felizes, que me lembram que o natal também é isso...
O natal que há em mim torna-me novamente criança na noite de natal... Mas, na realidade, eu gostava que me mantivesse assim todos os dias do ano...
O natal que há em mim ainda tem os cheiros de outrora, a mãe continua a fazer os doces, o pai continua a queimar a pinha, mas o aconchego do sofá não é o mesmo...
O natal que há em mim transfere a criança feliz que fui para as crianças que tenho agora...
O natal que há em mim conhece mal o pai natal, recebe os presentes do menino jesus...

O natal que há em mim alimenta-se da alegria deles, que são, sem dúvida, o melhor de mim...



segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Reencontros

Os reencontros são bons, muito bons mesmo! Nem todos têm a mesma "carga" emocional, nem todos têm a mesma "carga" temporal associada, mas todos eles têm a capacidade de me deixar feliz!

Gosto de reencontros! 
Gosto dos especiais, dos "curriqueiros", dos esperados, dos inesperados... É bom voltar a encontrar... 
É muito bom sentir um reencontro! 
Vê-lo sentido pelos "nossos" é perceber que transmitimos bem o sentir... 











quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Semana #13

Está visto e mais que visto que este relato semanal vai ter que passar de terça para quinta...
E o meu corpo e cabeça pedem que, esta semana, me fique pela reportagem fotográfica...

Para a semana a "reportagem" será adequada ao espírito da época e terá direito a fotografias com uma convidada especial...

Até já!




Há dias assim...



"Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está? 


As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar. Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar. 
É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução. 
Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha. 
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado. 
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar".

Miguel Esteves Cardoso, in Último Volume

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Semana #12

Fazer este exercício de te contar as nossas semanas tem sido muito gratificante. Para além de poder escrever sobre os assuntos de que gosto, consigo passar em retrospetiva todo um conjunto de acontecimentos vividos e sentidos a quatro, maioritariamente! Por isso também tem sido tão importante pensar, ao fim do dia (ainda que muitas vezes não o escreva aqui), no melhor do meu dia! Este foi o último que escrevi...

Esta semana passou a voar! Entre as viagens, as novas rotinas e os horários (ui... sou eu, o padeiro e toda uma estrada de manhã cedinho...) sobra tempo para pouco! A Carolina sente esta mudança de uma forma diferente do Gonçalo... Está a crescer a minha "menina", tem outro entendimento das coisas...

Para já, posso dizer-te que a gente de Águeda é muito boa gente!

Pronto, já relatei esta semana! Ufa! 
Prometo que para a semana será melhor! 

Mais uma coisinha! Já começamos a contagem decrescente para a tua chegada... E não é de uma forma qualquer, é uma contagem com recurso ao chocolate!


sábado, 30 de novembro de 2013

O melhor do meu dia | sentir a vida fluir




Mais uma vez digo, volto a dizer, redigo, penso, sinto, etc. (não gosto de escrever/dizer etc., mas aqui aplica-se mesmo bem): a vida resolve-se sozinha!

O melhor dos meus dias tem sido sentir a vida a fluir, a resolver-se...
O melhor dos meus dias tem sido observar que tudo se encaixa... a pessoa certa na hora certa, a palavra ideal no momento ideal...
O melhor dos meus dias tem sido fechar os olhos e sentir a necessidade imensa de agradecer! Sim, porque tudo o que pedi se concretizou! 





terça-feira, 26 de novembro de 2013

Semana #11

A vida resolve-se sozinha...
Ontem terminei (terminamos) uma etapa, hoje começo outra... 

Meus Deus, eu sei que nada acontece por acaso, esta é a minha filosofia de vida, há algum tempo! Mas, confesso que esta precisão e eficiência do Universo ainda me consegue arrepiar...

Pronto, lá vou fazer alguns (bastantes) quilómetros por dia! Não é a primeira vez...
Não me assusta, eu adoro conduzir e, acima de tudo, gosto do facto de, nesta viagens, conseguir organizar os pensamentos, ouvir boa música e pôr as conversas telefónicas em dia... Depois, a vida resolve-se sozinha, mesmo!

Lamechices à parte, cá vai a reportagem fotográfica desta semana! 
A Carolina entrou na semana de testes, por isso intensifica-se o estudo a duas (três)... Sim, porque o Gonçalo também já diz que estuda história e inglês:) Mas ele ainda tem tempo de pensar nas táticas da sua equipa de futebol e colocá-las no quadro! 
O frio continua e já se sente o cheiro a Natal! Já fizemos a árvore, falta o presépio! 











quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Conversas por cá #4

No carro...

Gonçalo observa que a sua mana entra para o banco da frente... Faz uma cara tão caricata que é indescritível... De seguida, amua! E faz que chora...
- Tu não podes ir aí... Anda para a minha beira!

Em casa...

Carolina está brincar com o Joaquim e com o seu brinquedo novo.
Diz o Gonçalo:
- Deixa isso! És algum cão para mexeres nesse brinquedo?

Na catequese...

Manuel vem ao carro e diz com ar solene:
- Olá, tia! No Natal vou dar-te um presente...
- Que bom, fofinho!
- Sossego... - rematou ele.

E para finalizar, o tempo por cá! Uma amostra desta manhã...



terça-feira, 19 de novembro de 2013

Semana #10


Esta semana foi marcada pelo teu aniversário, coincidente com o dia mundial da prematuridade... Dois dias que me dizem muito, portanto! 
Primeiro tu! Foi diferente ter-te longe no dia do teu aniversário, mas foi muito bom sentir-te bem e feliz! Faz o favor de mandar uma foto dos desenhos e respetivos acompanhamentos, porque eu enviei tudo sem tirar foto antes!

Agora o dia da prematuridade! Engraçado que quando escrevi os dois relatos sobre o nascimento prematuro do Gonçalo não pensei que seria tão abordada e questionada. Foi bom ouvir as pessoas e sentir que apreciaram a minha escrita e o que dela transbordou. As suas palavras e o poder agradecer-lhes foi, sem dúvida, o melhor desse meu dia

Já reparaste que está aqui no blog o selo "o melhor do meu dia", um desafio lançado pela Ana e pela Catarina, bloggers que eu gosto muito de seguir e ler e, ao qual, aderi, sem pensar duas vezes. O objectivo do desafio é este

Este blog está a assumir caminhos nunca antes imaginados por mim... Está a ser tão bom chegar a ti através dele e está a ser maravilhoso poder escrever nele, tal e qual como eu gosto, sem obrigações, sem horas e dias marcados... escrever hoje, amanhã rever, voltar a escrever... apagar, rescrever! Agradeço-te esta oportunidade que me deste!

Adiante! Foi também uma semana especial para a Carolina. Para nós (pais) foi um orgulho, acima de tudo pelo comportamento que tem e pela postura para com os colegas e adultos! Fica aqui registo para a posteridade:)


Créditos da fotografia: tia T.

Mesmo, mesmo antes de publicar este post, Portugal qualifica-se para o mundial, que se realizará no Brasil!!!!!!!!! Golos, claro está, do CR7...

Bora viajar até lá?


Créditos da fotografia: sic notícias



sexta-feira, 15 de novembro de 2013

O melhor do meu dia | dizer obrigada...


Obrigada a todas que dispensaram o seu tempo para me ler... 

Obrigada, também, pelas palavras que me deixaram...

Fui muito abordada a propósito do meu relato sobre o nascimento prematuro do Gonçalo! 
Muitos conhecidos, familiares e amigos, mesmo os mais chegados, nunca tinham ouvido as "coisas" nestes termos... Pus-me a pensar porquê... 
E descobri que efetivamente nós nunca nos lamentámos...

Naqueles quarenta dias o Gonçalo teve cinco visitas: eu, o Nuno, a Carolina (que podia visitá-lo uma vez por semana) e duas familiares que trabalham no hospital... Engraçado que ainda hoje ele tem uma "relação amorosa" inexplicável com a tia L. e com a J. 

Era até difícil conversar com a família e amigos... O nosso tempo e energia positiva (só) eram totalmente dedicados à Carolina e ao Gonçalo... Durante eses 40 dias falámos "pessoalmente" com pouca gente, mas recebemos muitos telefonemas e mensagens. Em ambas as situações transmitimos muito basicamente o que se passava... O gonçalo encontrava-se a recuperar bem! E era verdade, não mentimos! 
Agora, uma coisa que nunca fizemos com ninguém, a não ser um com o outro, e muito poucas vezes, foi conjeturar... Se... Se...Se... Pode acontecer isto... Eu às vezes até pensava, mas logo levava um corte do Nuno e vice-versa...

Passámos os dias no hospital, ouvimos muitas histórias, conversámos com outros pais, começámos a perceber que muita coisa podia acontecer... Mas preferimos nunca sofrer por antecipação! Foi pensado? Não... Simplesmente aconteceu! Felizmente encontramos no nosso caminho pessoas, e uma em especial (ela sabe quem é), que nos ajudou a ver a vida desta forma... 

Assim passamos a entender a vida... 

Desta forma educámos e pretendemos continuar a educar os nossos filhos! 

Valeu a pena! 




quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Bebé xxs | parte II

Ninguém estava preparado para o nascimento prematuro do Gonçalo...
E ninguém fazia a mínima ideia do que era um bebé prematuro. Eu não fazia, e ainda bem! Não fiz conjeturas, não sofri por antecipação, não fiz aquelas "brilhantes" pesquisas no google que somente têm o dom de nos deixar cheios de medo, assuntados e agoniados!

O Gonçalo nasceu numa madrugada de Agosto e eu só o vi no início da madrugada do dia seguinte. A verdade é que o vi porque o Nuno insistiu em levar-me à neonatologia para o ver...
A verdade é que eu não queria ir...
A verdade é que eu não fazia ideia de como reagir...

Lá fomos, os dois com o coração apertado... Eu estava ainda debilitada da cesariana e da anestesia geral e não estava preparada para o que iria ver!
O Nuno estava completamente absorvido pelo Gonçalo, já sabia abrir a incubadora, já começava a perceber o que eram todas aquelas máquinas, já tinha conversado com a médica e com algumas enfermeiras...

Lembro-me de me aproximar da incubadora e ter que me levantar a muito custo da cadeira de rodas para poder vê-lo... 
Lembro-me, também, que não o amei ao primeiro olhar... 

Descobri o meu amor por ele dias mais tarde, quando mo colocaram na posição canguru, quando o senti na minha pele e ele, finalmente, sentiu a minha!

Os dias que se seguiram foram de aprendizagem, para todos! O Gonçalo teve que aprender a lidar com a fome, que era muita! Afinal, tinha passado muuiiiita fome durante parte da gravidez!

Recordo-me de que quando comecei a extrair do meu leite para ele comer, por sonda, ele bebia 1ml... E chorava muito porque queria mais! As enfermeiras lá davam sempre mais um bocadinho do que a médica mandava, mas ele queria sempre mais!

Ao terceiro dia, consegui, finalmente, que me dessem alta. Digo finalmente porque das situações mais duras que vivi foi estar internada num quarto com mais duas mães que tinham os seus bebés ao lado... Durante o dia era mais fácil, pois eu só vinha ao quanto para comer e descansar um pouco, mas durante a noite eu tinha que estar no quarto e, se por um lado era difícil não ter o meu bebé comigo, por outro era constrangedor sentir "a pena" das outras mães a olharem para mim...

Três dias passaram a correr, tanta era a novidade... Eu sabia que o Gonçalo estava bem e sentia que a Carolina precisava de mim em casa, por pouco tempo que fosse. Assim foi, vim para casa (da minha mãe) e, pelo menos, as noites eram de sono, tal era o cansaço de passar o dia inteiro no hospital.

Aos poucos fomo-nos habituando ao dia a dia num serviço de neonatologia, aprendemos a dar-lhe banho, dentro da incubadora, a ler, como ninguém, os números das máquinas e barulhos esquisitos, ao ritual da pesagem, todos os dias, à hora das refeições, que apesar de serem pela sonda, era feitas ao colo, ora meu, ora do Nuno! 

Tivemos também que nos organizar segundo as rotinas do serviço de neonatologia... De manhã, às 9h, chegávamos ao hospital (lavar mãos, desinfetar, vestir farda, colocar proteção nos pés) dávamos banho ao Gonçalo, assistíamos  ao peso, ao tirar da temperatura, dávamos colo, o leite e ele adormecia. Saíamos um pouco os dois, conseguíamos colocar em dia os sentimentos e pensamentos e um de nós reegressava a casa para estar com a Carolina, o outro regressava ao hospital... assim era, por ciclos e turnos, durante o dia, até à meia noite! 

Os dias foram passando, e, felizmente, nenhuma contrariedade nos assolou...  Todos os exames e despistes normais, mas, a verdade, é que nós nunca pensamos nem acreditamos no contrário... Nunca mesmo! Sempre acreditamos que tudo iria correr bem! E foi esse acreditar que nos deu força para viver o momento mais duro das nossas vidas...

O menos bom desta situação: a pressão do peso!!!!!! A criança tinha que engordar! Tinha que chegar aos 2kg para poder ter alta!!!! Os comentários de algumas pessoas, que teimavam em comparar percentis... Se calhar, se não tivesse passado por isto,  também eu o faria...

O melhor desta situação: o quão fortes e unidos ficamos!!!!!!! E a humanização e qualidade dos profissionais do serviço de neonatologia do Hospital de S. Marcos!!!!!!! 




Aqui está o Gonçalo no dia que "tivemos" alta hospitalar! Quarenta dias depois do nascimento conhece a sua casa e acha que é muito diferente do hospital... Nessa noite, chorou muito, sem parar, porque estranhou o silêncio... 



Aqui está o Gonçalo com 4 anos, um bebé xxs com uma determinação XXL




Este é o caminho... Sempre acreditar, nunca desistir e amar incondicionalmente!  

O melhor do meu dia | senti-los crescer

Sentir efetivamente o crescimentos dos meus filhotes...

Nas conversas, nos comentários que fazem e nas ilações que tiram de muitas das nossas conversas, que, muitas vezes, são tidas no carro, a caminho de casa! Têm 10 e 4 anos e são uns autênticos companheiros...

Depois, observar que, ontem, a Carolina já pôde vir sentada no banco da frente do carro...


terça-feira, 12 de novembro de 2013

Semana #9

Semana 9... Pareece que ainda ontem escrevi semana 8... O tempo voa, e ainda bem!

Ora, no final da semana foi-se a chuva, mas veio o frio... Sexta feira foi dia de jantar das mulheres, à ida para o jantar estavam estes míseros graus!!!!!


Pela hora da foto, fica a prova de que, desta vez, cheguei a horas ao jantar!!!!!!

No domingo foi-se a chuva e veio o sol, claro está para brilhar no dia de S. Martinho! Bem que eu me podia ter lembrado de colocar algumas castanhas na encomenda que te mandei... 
Já que não podes comer castanhas, contenta-te com as imagens do Gonçalo e da sua Maria Castanha!


Esta semana continuo, tal como tu, completamente absorvida pelo término da tese!!!!!!! Finalmente!!!!!!!! Nem me apetece escrever como o costume... 

Por isso, nada como fazer uma pausa e ouvir uma história, contada pelo Gonçalo... Era bom, mas não será possível... Não consigo colocar o vídeo aqui :(


domingo, 10 de novembro de 2013

O melhor do meu dia | pensar no melhor dos dias

Leitora assídua da Ana e da Catarina, resolvi seguir o desafio feito por elas, e, por dia, por semana, ou simplesmente quando me apetecer, partilhar o melhor do meu dia...

Bem, hoje o melhor do meu dia foi pensar nos inúmeros melhores que têm composto os meus dias, e, também, naqueles "melhores" que são "menos bons", e que, mesmo assim, são tão importantes nos meus dias...



terça-feira, 5 de novembro de 2013

Bebé xxs | parte I

Partilhar a experiência de ser mãe de um prematuro de muito baixo peso nunca conseguirá retratar a realidade...

Este texto anda a fervilhar na minha cabeça desde que o Gonçalo foi considerado, aos 3 anos de idade, um ex-prematuro... Embora continue a ter consultas, mais ou menos regulares, sabemos que são uma precaução e o previamente estabelecido para prematuros de muito baixo peso, como ele!

Como qualquer história, também esta começa muito antes de ter acontecido, como se passo a passo fôssemos preparando (e nos preparando) a provação que iríamos passar.

Quando eu o Nuno pensamos em ser pais, não conseguimos amadurecer nada o assunto! Conversamos, tivemos essa vontade, fomos ao médico, fizemos os exames necessários, tivemos luz verde e pronto! Já está!
Gravidez tranquila, um pequeno susto às 26 semanas, repouso absoluto, gravidez continua tranquila! A pequena Carolina nasce quando se completavam 36 semanas de gestação, num parto santo, feito pelo médico que me acompanhou a gravidez, sem dor, ao som do choro de felicidade do pai e das gargalhadas do médico...

Nasceu nesse dia quente de junho uma menina angelical, sossegada, a menina dos olhos do pai e da mãe... Daí para a afrente foi sempre assim! Um anjo de olho azul (ora verde, ora cinza) uma menina adorável, curiosa, perspicaz, nada birrenta, nada chorona...

Depois foi sempre assim, aluna exemplar, filha adorável, neta carinhosa, sobrinha, afilhada, amiga... Agora é assim...

Depois de uma experiência maravilhosa como a do primeiro filho não foi nada difícil decidir termos outro...
Esse outro mostrou-nos, de forma dura, muito dura, que a realidade não é sempre cor de rosa... 
Agora, acho mesmo que esse outro bebé nos preparou para o que iríamos passar com o Gonçalo.

Depois deste episódio, a gravidez do Gonçalo não foi encarada de uma forma tão calma como a da Carolina... Engraçado que, por ser a segunda (terceira) deveria ser mais calma...

Mas não foi!

Um susto logo às 12 semanas, uma decisão consciente em não fazer a amniocentese,  um aceitar de olhos fechados, mas coração um pouco apertado, que tudo correria pelo melhor, que o "melhor" nasceria quando fosse a melhor altura  e que a perfeição é uma coisa muito relativa!

Alguns sustos posteriores, viagens diárias para trabalhar em V. N. Gaia durante parte da gravidez e, perto das 26 semanas, diagnóstico de pré-eclampsia... E todos os dias, no final do dia, a certeza que tudo correria pelo melhor...

Ecografias semanais até que, às 32 semanas, há rotura de bolsa, parto considerado difícil, anestesia geral e cesariana! Nasce o pequeno Gonçalo, com 1100 gr e 38 cm... Não precisa de ventilação assistida, contenta-se com a sua mega incubadora!

Os dias que se seguiram... São difíceis de narrar... (Respirar fundo... pausa...)









Semana #8

Esta semana voltamos a ter chuva e, quando chove, tendemos a vislumbrar os dias de forma ainda mais rotineira... Casa, escola, escola, casa, compras e "vira o disco e toca o mesmo". Então, lá nos tentamos organizar para fazer render, à grande, os dias chuvosos! A Carolina, durante a semana, é completamente absorvida pelas aulas e pelas danças e, o tempo livre que tem, é dedicado às brincadeiras com o mano. O Gonçalo anda na fase dos desenhos... A professora ensinou-o a fazer nuvens e o arco-íris e a mana ajudou-o a aperfeiçoar o desenho da figura humana! 
Olha os desenhos que fizeram para o avô Zeca, que fez anos esta semana...



Domingo tivemos direito a sol e conseguimos fazer atividades ao ar livre, como tanto gostamos!  Sorte viver na aldeia, poder sair de casa à vontade, passear o Joaquim e fazer "uns remates" no campo de futebol!



domingo, 3 de novembro de 2013

Modelos por um dia...

Com o pretexto do blog ando sempre com a máquina fotográfica a tiracolo e, para além de ter manter a par dos nossos dias, tenho ficado com muitos mais momentos registados. Mas, acima de tudo, as sessões fotográficas têm sido uma diversão! 

Este fim de semana as crianças foram modelos por um dia... bem, por uns minutos! 
A Carolina tem o seu jeito, as suas pernas longas e os seus olhos expressivos... O Gonçalo, tem o seu ar desajeitado, de rapaz, faz a sua cara "franzina" para as fotos... Agora, quando se juntam, é magia total! 

Exatamente como sempre imaginei!
Exatamente como foi comigo e com o meu irmão!
Amor puro!


quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Conversas por cá #3

Hora de deitar, todos juntos como gostamos... entre risotas e histórias (ainda domina a Peppa pig), o Gonçalo diz entre dentes:

- Coitadinha da madrinha...
- Ah!!! - exclama a Carolina.
- O quê? - pergunta a mãe.
- Olha, porque está em... longe! Nem tem lá o carro dela nem nós... E só vem no Natal e ainda faltam estes dias (aponta para 2 dedos da mão, porque eu lhe disse, um altura que me perguntou, que faltavam dois meses para voltares...)

Mãe e Carolina ficaram sem palavras...




Saída da escola da Carolina, 18:30, muitos pais à espera e muitos meninos e meninas a sair da escola.

A Carolenta, upss, a Carolina está atrasada na saída, como de costume... Ao longe, o Gonçalo avista a mana e diz com uma voz sonante:

- Mana, és sempre a mesma atrasadinha!!!!! Olha os meninos que já saíram...

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Semana #7

Esta semana foi basicamente isto: discussão de resultados, conclusões, ajustes e mais ajustes; ajudar a Carolina a estudar (testes, muitos testes)...





Depois, nas horas "livres" o Gonçalo só quis brincar às escolas! 





Ele que tem pavor ao Halloween, desenhou um bela bruxa! 




Agora vê bem a qualidade deste desenho...



terça-feira, 22 de outubro de 2013

Semana #6

Há dias assim...
Há semanas assim...
Esta semana foi assim, assim...

Porque a vida é assim! Uma sequência de altos e baixos, onde nos cabe a tarefa de encontrar o equilíbrio.

Esta semana, por cá, foi difícil encontrar o equilíbrio. Não foi impossível, foi só mais difícil do que o costume. E como tu sabes o meu costume...

Há dias li num blog, que gosto muito, este texto e concordo com ele em absoluto! A vida resolve-se sozinha.



segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Here and Now!








"De uma coisa podemos ter certeza: de nada adianta querer apressar as coisas; tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto.

Mas a natureza humana não é muito paciente.
Temos pressa em tudo e aí acontecem os atropelos do destino, aquela situação que você mesmo provoca, por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo. 
Mas alguém poderia dizer: qual é esse tempo certo?

Bom, basta observar os sinais.
Quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, pequenas manifestações do quotidiano enviarão sinais indicando o caminho certo.
Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, uma observação qualquer.
Mas, com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa. 
Basta você acreditar que nada acontece por acaso. Talvez seja por isso que você esteja agora lendo estas linhas. 

Tente observar melhor o que está a sua volta. Com certeza alguns desses sinais já estão por perto e você nem os notou ainda. 

Lembre-se, que o universo sempre conspira a seu favor quando você possui um objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento".

Paulo Coelho


Quase, quase...

O ano passado foi assim...
Bem, não só assim...
Já não me lembro dos restantes presentes que as crianças te deram, mas sei que estes foram os mais especiais. 

Como será este ano? Espero que cheguem a tempo!


terça-feira, 15 de outubro de 2013

Semana #5

Esta semana temos dois acontecimentos importantes, cada um relacionado com cada uma das crianças cá de casa!

Comecemos pelos mais velhos! 
A Carolina começou a dizer que já está mais crescida e, por isso, quis modificar o quarto... Bem, eu até suei, ao pensar que ela iria querer decorar o quarto todo com os posters dos One Direction (pois, porque segundo o que ela conta, a maioria das amigas anda com essa febre)... Nada disso!!!!!!! Que linda filha! Queria somente tornar o quarto mais espaçoso, com espaço para uma pequena secretária e um placard para pôr fotos! Esta última parte ainda não tratamos, temos que ir ao Ikea, mas já modificamos o quarto! Ela adorou e o pequeno Gonçalo também já quer mudar o quarto dele!



Agora a novidade do Gonçalo. Lembras-te de no ano passado a professora Cila escrever, com os meninos dos 3 anos, uma carta para o SCBraga, onde pediam para fazer uma visita e assistir a um treino? Pois, a resposta chegou esta semana e lá foram eles! Os rapazes e a professora! 
O Gonçalo ficou muito empolgado quando soube, mas depois começou a dizer que tinha medo de ir ao relvado... Anda numa fase muito medricas, que é normal, segundo diz quem é entendido no desenvolvimento da criança de 4 anos. Depois de muito conversarmos com ele, lá decidiu que queria ir! E, claro está, adorou! 
Segundo quem viu, nem uma palavra deu aos jogadores, que amavelmente conversaram com ele e lhe "coçaram a cabeça" (palavras do próprio). Gostou também de ver a taça que o Braga ganhou em Coimbra, jogo que ele assistiu!
Ficou muito triste porque o Alan não estava, "tinha que treinar no ginásio, mãe". 

Uma animação!!!!!


Com esta visita voltou a febre da caderneta de cromos do futebol! 


sábado, 12 de outubro de 2013

Dias felizes...


Os dias bons não são os que ficam na lembrança. São aqueles que se esquecem, porque se repetem na mais estúpida felicidade mas que, todos juntos, servirão para um dia eu poder dizer "sim, eu já fui feliz".

Há tempos li esta frase do Miguel Esteves Cardoso e de imediato rebobinei muitas situações da minha vida... Na verdade, não posso deixar de concordar com ele e, mesmo que eu não o fizesse ou conseguisse, a vida tem-se  encarregado de mo mostrar em tantas situações.

Das últimas foi, sem dúvida, a vinda do Joaquim para a nossa casa... Eu nunca tive uma relação próxima com cães, cresci numa família muito unida, com muitos valores, entre os quais o de respeitar os animais, mas nunca tivemos um. Claro que me fazia confusão tê-lo dentro de casa, a encher tudo de pêlo e outras coisas! 

Mas, esta pequena criatura tresloucada veio mostrar-me que não vale a pena andar preocupada com o chão limpo, o sofá sem pêlo e a sala arrumada! E, assim, lhe agradeço o facto de cada vez mais ter os fins de semana descansados, sem andar "paranóica" com as limpezas!

Os fins de semana têm sido assim, despreocupados, ao ar livre (quando S. Pedro ajuda), idealizados em cima do acontecimento e muito felizes!








E agora, Clara Vieira, olha bem como cresceu o Joaquim!